A sustentável leveza do Viver Cristão

200

Este estudo tem por finalidade apresentar, de forma simples e de fácil entendimento, que o viver cristão é sustentável e leve, como disse o próprio Jesus, “…o meu fardo é leve e o meu jugo é suave”.

Bem mais diferente do que a maioria da população em geral possa imaginar, ser um cristão verdadeiro é possível, é leve e agradável. Embora a figura de que ser crente significa para muitos a renúncia de prazeres valorizados pela sociedade moderna, renúncia pessoal e material, servidão, extrema humildade e em alguns casos descrédito, tudo isto não passa de um estereótipo.

A vida cristã significa, pela própria concepção da palavra, uma vida que se encontrou verdadeiramente com Cristo. E quem se encontra com Ele torna-se uma pessoa diferente. Para melhor. O convite que Jesus faz a todos é o seguinte: “venham a mim todos os que estão cansados e sobrecarregados e eu vos aliviarei… pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”, Mt 11: 28, 30. É um convite acompanhado de uma promessa – venham, que eu vos aliviarei. É um convite sugestivo – a troca de um jugo insuportável, uma vida sobrecarregada, sem significado, oprimida, por uma proposta suave e leve.

Portanto, aquela pessoa que tem um encontro com Cristo passa a ter uma vida diferente. Assim o é, pois a Palavra de Deus afirma que “aquele que tem o filho tem a vida; aquele que não tem o Filho de Deus não tem a vida”, I Jo 5:12.

A vida cristã também abrange a liberdade em seu amplo sentido. Sentimento de libertação do temor da morte e do que vem depois dela, sentimento de paz e de bem-estar com Deus, sentimento de proximidade de Deus, sentimento de perdão de pecados e eliminação do senso de culpa, são algumas manifestações da vida cristã em uma pessoa convertida.

Quem segue o verdadeiro cristianismo manifesta características inconfundíveis de alguém que teve um encontro pessoal com Cristo. Vejamos algumas destas características encontradas em II Co 2:14: “Graças, porém, a Deus que em Cristo sempre nos conduz em triunfo, e, por meio de nós, manifesta em todo o lugar a fragrância de seu conhecimento”.

Marcas do Viver Cristão

A primeira: otimismo indestrutível. Graças, porém a Deus. A gratidão a Deus é uma marca inconfundível do cristianismo radical. Mesmo em meio a privações, provações, dificuldades e necessidades o cristão manifesta sua gratidão a Deus. É a certeza da proximidade do triunfo. Os cristãos mencionados no livro de Atos dos apóstolos são a prova dessa realidade. Em meio a riscos de vida e perspectiva desanimadora Paulo e Silas, ao serem lançados no cárcere interior da cadeia de Filipos, tendo as costas em carne viva, sangrando, com os pés presos a troncos, com um futuro incerto, não sabendo o que lhes estaria destinado na manhã seguinte, irromperam em cânticos – um indestrutível otimismo e ação de graças.

A segunda característica está intimamente relacionada à primeira – sucesso constante. Paulo diz: ” Cristo sempre nos conduz em triunfo” . Não em certas ocasiões, nem vez por outra, mas sempre. Após a prisão no cárcere de Filipos o triunfo em meio aquela situação veio em seguida – um terremoto abalou as estruturas do cárcere e todas as portas e grilhões foram destruídos. E Paulo acrescenta em sua carta aos filipenses, que as coisas que lhe aconteceram era para o progresso do evangelho (Fp 1:12). E realmente era. Quando preso em Roma, certa feita, acorrentado dia e noite a um membro da guarda imperial de César, transmitia àqueles soldados romanos as “inescrutáveis riquezas de Cristo”. E a conseqüência era que todos aqueles moços estavam sendo levados ao conhecimento de Cristo, um a um. Em Fp 4: 22 encontramos: “todos os santos vos saúdam, especialmente os da casa de César”. O triunfo, é portanto, outra característica inconfundível do cristianismo autêntico.

A terceira marca distinta de que a vida cristã é leve e suave é que ela causa um impacto inesquecível: “…e, por meio de nós, Deus manifesta em todo o lugar a fragrância do conhecimento de Cristo”. Aqui está um dos mais belos símbolos pelos quais Deus ensina a verdade. É a fragrância, o perfume. A vida que refletir essa característica impulsionará as pessoas ao redor ao questionamento e causará um forte impacto. Quem não percebe a entrada em um recinto de alguém perfumado? Chama a atenção e causa impacto. Da mesma maneira a vida cristã autêntica deve refletir essa característica.

Outra marca distinta de um cristianismo genuíno e não estereotipado é uma integridade irrefutável. “Porque nós não estamos, como tantos outros, mercadejando a Palavra de Deus; antes, em Cristo é que falamos na presença de Deus, com sinceridade e da parte do próprio Deus”, (II Co 2:17). Diz respeito a pessoas sinceras, que falam da parte do próprio Deus, e na presença do próprio Deus. O verdadeiro cristão se apresenta como uma pessoa sincera, objetiva, honesta, digna de confiança, responsável e fiel.

Mas, “quem porém, é suficiente para coisas desse tipo?” (II Co 2:16). Na verdade, qual o cristão que possui a real capacidade de manifestar sempre um espírito alegre e confiante… de sair sempre triunfando… de exercer forte influência sobre outros… de ser totalmente digno de confiança… e de demonstrar todas estas qualidades de tal forma que ninguém possa duvidar delas?

Paulo não nos deixa a procurar no escuro a resposta de sua penetrante pergunta. Ele nos dá a resposta direta em II Co 3:4-6: “E é por intermédio de Cristo que temos tal confiança em Deus; não que nós mesmos sejamos capazes de pensar alguma coisa, como se partisse de nós; pelo contrário, a nossa suficiência vem de Deus, o qual nos habilitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica”. Viver em tais bases, afirma Paulo, é estar habilitado para ser ministro da nova aliança. Esta nova aliança é aquela a que Jesus se referiu quando passou o cálice aos seus discípulos, ao instituir a ceia do Senhor. “Isto é o meu sangue, o sangue da aliança, derramado em favor de muitos, para remissão dos pecados”. O cálice, quando tomado juntamente com o pão, deve relembrar-nos da verdade central de nossa vida: Jesus morreu por nós, para que possa viver em nós. É sua vida em nós que constitui o poder que nos capacita a viver a verdadeira vida cristã. Isto é a Nova Aliança.

Para viver plenamente esta nova aliança o cristão precisa possuir fundamentos espirituais seguros e sólidos que o levem à manifestação das características vistas anteriormente. Vejamos alguns desses fundamentos.

Andar como ministros de Cristo. “Assim, pois, importa que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus” (II Co 4:1). Os cristãos precisam agir como gerentes e administradores dos mistérios de Deus. Somente um conhecimento mais profundo das coisas de Deus pode habilitar o cristão a agir como ministro e despenseiro dos mistérios divinos.

Apropriar-se da plenitude da situação de cristão. “Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido…” I Pe 2:9. Quando o cristão apropria-se destas verdades passa a viver de uma maneira mais abençoada e próspera. Não confessará derrotas em sua vida nem dará lugar às obras carnais, pois estará desempenhando um sacerdócio real diante de Deus, como príncipe, como um escolhido, como parte do povo santo e adquirido. Alguém tão especial no plano de Deus que não pode ser comparado a um “João-ninguém” .

A excelência do poder vem de Deus. “Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós…” (II Co 4:7). Cada cristão deve comparar sua vida a um vaso de barro, frágil e que necessita certo cuidado. No entanto, este vaso possui em seu interior algo muito valioso: o poder de Deus.

Viver a vida cristã é, então, algo plausível, sustentável, leve e completamente agradável. Basta que cada cristão desempenhe corretamente o seu papel – manifestar a vida de Cristo em sua vida, andar como um ministro e despenseiro das coisas de Deus e depender sempre do poder do Alto.

Não há lugar para estereótipos no reino de Deus.

“Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida”, I Jo 5:12.

Enviado por: Robson do Nascimento

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site.