Porque uns recebem mais de Deus e outros menos?

208

Em Mateus 25:14-29, encontramos uma parábola que versa sobre um homem muito rico, que chamou três servos e confiou-lhes as suas posses de modo que cada um administrasse de acordo com a sua capacidade.

Vejamos: – para o primeiro ele confiou cinco talentos; – para o segundo ele confiou dois talentos; – para o terceiro ele confiou um talento. O que quero enfatizar é a expressão: “… confiou os seus bens…”. Este homem é Deus, os homens podem ser cada um de nós, e Ele nos confiou os seus bens e posses. Tudo é de Deus e nós somos seus mordomos.

Conhecemos bem esta história; recordemos, pois, os resultados: o primeiro e o segundo dobraram suas posses; o terceiro nada fez; por quê? Além de notarmos que ele não tinha nenhuma capacidade de administrar, com toda certeza ele não era um servo fiel e honesto, não amava o seu Senhor e não tinha laços de compromisso, fidelidade; amava-o só de lábios e não de coração.

Percebemos isso no prestar de contas com o Senhor dos bens. Vejamos as respostas dos três: o primeiro e o segundo reconheceram que eram mordomos administradores. Disseram “…confiaste-me…” (Mateus 25:20). Já o terceiro não entendeu a mensagem e enterrou o talento, pensando que poderia guardá-lo eternamente: o famoso “é meu”.

Ele não teve fé para entender que as suas posses não lhe pertenciam, não soube zelar por aquilo que lhe foi confiado, e não reconheceu o Senhorio do seu Senhor. Portanto, uma das bases para que possamos ser fiéis ao Senhor é o reconhecimento de que somos mordomos de um grande e rico Senhor, que voltará para acertar contas conosco.

Ele não vai nos perguntar o saldo de nossa conta bancária, e sim como valorizamos os bens que nos confiou e o nosso bem maior que é a nossa vida no altar. Sei que temos pessoas fiéis, que moram em lugares simples, e também outras, que moram em luxuosas mansões, encontramos a mesma situação em pessoas que nunca se preocuparam com o dízimo. O motivo, Deus sabe, é a sua soberania.

Ele é soberano, dá a chuva e sol para todos, mas a sua Palavra e as promessas nelas contidas são somente para quem crê. Sei que existe a promessa da prosperidade, creio nela, segundo o plano de Deus para a vida de cada pessoa individualmente. Existem pessoas com grande capacidade de administrar bens e de continuar na presença de Deus.

Mas sei também de pessoas que, se tivessem um “cavalo velho com uma velha carroça”, seria o bastante para que saíssem da presença do Senhor. O abrir ou fechar das “janelas do céu” é com Deus. Se você tiver condições de ter um iate e continuar fiel, pode ter certeza de que Ele vai lhe dar também um ilha para ancorá-lo. Deus sabe da nossa real capacidade. Nós, não. O que temos que pedir-lhe é uma capacidade para que possamos administrar tudo que ele vai nos confiar.

Saiba que nunca recebemos nada do Senhor que possa servir de instrumento para nos tirar do altar. Você daria uma faca bem afiada para uma criança brincar, para que pare de chorar ? É certo que não; ela não saberia administrar aquela faca e fatalmente iria se machucar. Mais tarde, porém, ela terá esta capacidade e a faca será um auxilio em suas mãos, não uma arma. Se soubermos reconhecer isto, quanto mais Deus, que sabe todas as coisas e tem sempre o melhor para nós.

Enviado por: Gospel Click

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site.